DIÁRIO DE UMA CADEIRANTE

Meu Primeiro Emprego

Meu primeiro emprego!

Minha mãe chega e fala: “Está na hora de trabalhar filha”!!! Mas já???? Eu não lembro bem, mas com certeza foi esta expressão que eu devo ter feito na hora.

Hora de Trabalhar

Na época tinha apenas 15 anos. Na verdade esse foi mais um acontecimento, mais uma experiência que eu tive na vida, que é tão comum a todos, o primeiro emprego.

Proposta de Emprego

Eu tinha terminado o ensino fundamental e iria cursar o antigo 2º grau. Como minha mãe não tinha como custear meus estudos, obtive uma proposta de emprego que era de trabalhar apenas 4 horas em troca de uma bolsa integral.

No momento me pareceu muito bom, pois além de concluir meus estudos iria adquirir experiência para o mercado de trabalho.

Primeiro Dia no Emprego

Então lá fui eu com todos meus medos, incertezas e muita curiosidade. Fui trabalhar como telefonista. Era uma mesa de PABX onde eram direcionadas ligações de todos os lugares (internas e externas) ao mesmo tempo. Eram milhares de ramais, com várias luzes que correspondiam a cada setor da instituição.

Olha uma mesa antiga de PABX!

Olha uma mesa antiga de PABX!

No primeiro dia fiquei apenas observando a telefonista, que já trabalhava na instituição há mais de 15 anos, fiquei espantada com a sua agilidade e memória para decorar todos aqueles números… e essa era a principal característica para o atendimento: “agilidade”.

Tínhamos que atender, direcionar, anotar recados, fazer chamadas, tudo ao mesmo tempo! Na hora fiquei muito assustada com tantas luzes, fios e ramais… Com o passar dos dias fui me tranquilizando e após uma semana de treinamento chegou a hora de atender sozinha.

Voo Solo no Emprego

Tive todas as sensações de uma estreia: dor de barriga, mãos tremulas, calafrios e tudo mais! Mas encarei e me sai muito bem nas primeiras ligações, peguei rápido procedimento, apesar de não ter decorado os ramais. Tinha uma cola (uma lista) enorme com tudo anotado e não sabia também identificar quais setores correspondiam aquelas luzinhas piscando.

No terceiro dia de trabalho, me sentindo bem mais segura, estava sozinha na sala (a telefonista saiu pra tomar um cafezinho), já era próximo do fim da tarde, a demanda estava grande e gerou uma fila de espera na ligações externas.

Fui atender as chamadas, as luzes dos setores começaram a piscar, mas pensei assim: vou atender o público primeiro. Então passei uns 20 min para acabar com aquela fila e quando já estou na ultima ligação, a telefonista chega e dá um grito!!!

Olha a luz da diretoriaaaaa está piscando!!!!” Eles são prioridade!!!!

Minha Primeira Bronca no Emprego

Nossa que besteira que fiz, eu não percebi que era a diretora ligando para central da sua sala. Enfim tomei a primeira bronca de patrão da minha vida… E foi aquela bronca, dá pra imaginar? Depois de atende-la,  tentar explicar e me desculpar pelo o ocorrido ela desligou e eu desabei de chorar.

Não sei como não perdi meu emprego naquele dia, deixei a dona da instituição mais de 30 minutos aguardando na linha!!! Comecei bem não acham?!

Experiência para Vida

Foi uma experiência boa que guardo até hoje, pois com 15 anos eu era muito menina, e cresci muito naquele trabalho,  tiveram outras broncas (rsrsrs) mas fiquei trabalhando lá por três anos até concluir o meus estudos. Fiz amigos, aprendi muito.

Se o primeiro emprego é algo tão importante na vida de qualquer pessoa, para o deficiente, não é diferente. Pra nós o primeiro emprego representa uma verdadeira conquista, um passo para nossa tão sonhada independência!

No meu caso começar a trabalhar tão cedo foi fundamental para personalidade que tenho hoje. Pois já naquela época aprendi a dar valor às coisas, aprendi que devemos ir em busca dos nossos objetivos e que ninguém pode fazer isso por nós. E o principal: aprendi me tornar útil, saber que a minha incapacidade física não me impediu de ser produtiva.

Isso é fenomenal e é o que me motiva até hoje!

Sobre o autor

rampadeacesso@whm.criatudo.com

rampadeacesso@whm.criatudo.com

Deixe um comentário